Vendas do comércio têm elevação de 9,2% em MG

O volume de vendas do comércio varejista em Minas Gerais teve um aumento de 9,2%  em maio na comparação com abril.  Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A coordenadora do Departamento de Pesquisas Econômicas do IBGE em Minas, Cláudia Pinelli, disse que o crescimento pode ter sido impulsionado pelo Dia das Mães, data em que as pessoas, normalmente, investem na compra dos mais variados tipos de presentes para celebrar a data.

Embora a pesquisa não identifique as regiões  mineiras onde houve  maior expansão das vendas, os segmentos  de maior destaque foram os relacionados ao comércio de móveis,  que cresceu 133,8%, de tecidos, vestuários e calçados que registrou aumento de 99,9% e no setor de eletrodomésticos que cresceu  53,2%.

Os consumidores também investiram mais na compra de material de construção que avançou  33,7%  “Também notamos o aumento da compra de livros, jornais e artigos de papelaria”, informou.

Com o avanço da vacinação e o gradativo retorno às atividades presenciais, também observou-se o aquecimento nas vendas de veículos,  de motocicletas , de  peças e acessórios voltados a este setor. As vendas deste segmento cresceram 97,9%.

Pré-pandemia 

Os resultados positivos mensurados pela pesquisa do IBGE mostram que boa parte do comércio varejista já atingiu o nível de vendas pré-pandemia.

Para o presidente da FCDL-MG, Frank Sinatra, a melhora dos indicadores demonstra que, tanto comerciantes quanto consumidores, estão ficando mais confiantes à medida que a vacinação avança e as perspectivas de controle da pandemia aumentam. “Em 2020, o cenário era de total insegurança, fazer qualquer planejamento de curto ou longo prazo era quase impossível. Agora, ainda que aos poucos, o mercado está voltando a se estabilizar e os empresários já se veem em condições de investir mais em seus negócios, assim como os consumidores se sentem mais seguros para ir às compras”, afirma. 

Variações

Em comparação a maio de 2020, a variação das vendas do comércio varejista em Minas Gerais foi de 11,3%, ficando abaixo da média nacional (16%). Mas quanto à participação da composição da taxa de varejo, levando-se em conta o mesmo período,  o índice registrado  em Minas Gerais foi o terceiro  maior em todo o País.

Ainda de acordo com os dados da pesquisa, o Estado só ficou atrás de São Paulo que cresceu (19,0%) e do Rio de Janeiro que registrou aumento de (17,4%).

Inflação

Mas o crescimento do comércio foi segmentado. De acordo com Cláudia, a inflação afetou alguns setores mais que outros. O comércio supermercadista, ainda conforme a coordenadora, sofreu pequena retração em maio, causada pela inflação dos produtos alimentícios.

“Os consumidores estão substituindo alguns alimentos  por aqueles que cabem no orçamento familiar”, afirmou.  As vendas no mercado de moda, de roupas e acessórios para festas, também não cresceram no mesmo ritmo dos segmentos que lideraram o aumento das vendas no Estado. “Mas com a permissão da realização de eventos, como está acontecendo em Belo Horizonte, é esperado que este setor e o voltado ao fornecimento de alimentos para essas celebrações voltem a crescer”, afirmou.

Com informações do Diário do Comércio.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos relacionados