Como o marketing de varejo pode te ajudar a vender mais. Descubra!

O desafio de hoje em dia não é apenas a pressão de vender mais, existe também a pressão de saber como conseguir atrair a atenção de pessoas que poderiam comprar aquilo que é vendido. Por isso, é preciso vender melhor. Todo mundo que tem uma meta também tem o desafio de fazer um certo número acontecer no final do mês e essa necessidade pode tirar o nosso sono, certo? É para ajudar nessa tarefa que existe o marketing de varejo. E, talvez você ainda não saiba, mas ele é diferente do comum.
O marketing de varejo é pensado e idealizado para atrair os olhares do consumidor e proporcionar mais do que a simples satisfação da necessidade de ter um produto. A ideia aqui é oferecer uma verdadeira experiência de compra ao cliente. Atuando majoritariamente no ponto de venda – mas não exclusivamente nele – o marketing de varejo conversa diretamente com os olhos e demais sentidos do consumidor. Por quê sentidos? Porque a intenção é justamente encantar em todos os aspectos e gerar uma experiência positiva. Sabe aquela loja que tem um cheirinho inconfundível? Marketing de varejo. Aquelas luzes bonitas na vitrine que evidenciam essa ou aquela peça? Marketing de varejo. Por acaso você já recebeu algum brinde de alguma loja no seu aniversário? Isso também é marketing de varejo.
Esse tipo de publicidade promove a integração entre a marca, o produto e o consumidor. E isso tudo acontece bem antes do cliente chegar até a loja e se estende até o fi nal do processo de compra. Isso signifi ca inovar e pensar em novas maneiras de abordagem, para que o consumidor se sinta familiarizado com (e não invadido pela) sua marca. O objetivo é atrair o cliente para conhecer você de perto, trazê-lo para dentro da loja e fazer essa experiência ser tão positiva que ele deixará de ser um simples consumidor e passará a ser um verdadeiro embaixador do seu negócio. A partir do momento em que estabelecemos um relacionamento, a ideia é alimentá-lo para que o cliente continue esse trabalho através do boca a boca – que é antigo, mas ainda extremamente útil.

As melhores práticas

A melhor dica para acertar no marketing de varejo é: seja cuidadoso com o seu cliente. A venda não começa na porta da loja e não termina fora dela. O relacionamento verdadeiro e o que vai estimular e aproximar empresário e consumidor, fidelizando este último. É possível usar estratégias de fidelização como sistema de pontos, cartões de fidelidade com condições exclusivas, descontos e benefícios na próxima compra e por aí vai.
Para o lojista, o ponto de venda e fator primordial de atenção. Estar presente em feiras e eventos do seu segmento, entre os concorrentes, eleva o patamar da sua marca e a posiciona como um “expert” naquilo que se propõe. Pontos de venda atrativos e principalmente interativos são tiros certeiros. Além de manter o cliente em contato com a sua marca por mais tempo, a interação gera envolvimento e provoca curiosidade, fazendo com que o cliente se sinta literalmente mais feliz por estar ali.
Outra dica essencial é manter o cuidado também no pós-venda. Isso ajuda a manter o contato e, muitas vezes, surpreende o cliente de maneira positiva porque demonstra interesse em saber como tem sido a experiência com o produto adquirido ou o serviço contratado.
Segundo uma pesquisa da Nielsen, pessoas entre 19 e 34 anos não se importam em pagar a mais para ter uma ótima experiência de compra. Isso significa que o valor do seu negócio não esta unicamente no produto ou serviço. Podemos perceber que o termo vendedor vem sendo gradualmente substituído pela denominação consultor. Essa pessoa não tem mais a função exclusiva de gerar renda e sim de criar, manter e desenvolver um relacionamento a fim de fidelizar clientes. A métrica é deixar o consumidor satisfeito para que ele retorne, realize novas compras e indique a sua empresa para o maior número de pessoas possível.
Para concluir, o marketing de varejo engloba e integra todos os canais de contato com o cliente e seus sentidos. Coração, mente e espírito. A sua estrutura física – pontos de venda, stands e megastores – deve acompanhar a sua postura. A língua falada deve ser a mesma do cliente, ou pelo menos aquela que ele espera entender.
É preciso que gestores estejam atentos e mantenham suas equipes preparadas, que não tenham medo de buscar ajuda de quem entende do assunto para poder elevar o negócio a um novo patamar de modo a não entrar em platô ou mesmo cair no esquecimento.
Fonte: Revista Movimenta
 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos relacionados