Atenção! Não se deixe enganar por fraudadores

A cada dia os estelionatários tentam, de alguma forma, se aproveitar de brechas no mercado para tentar levar a melhor e tirar dinheiro das pessoas. É preciso que o comerciante e o consumidor mantenham atenção com documentos, cheques falsificados ou clonados, falsos depósitos, entre outros.
E uma dessas modalidades poderia ter dado dor de cabeça à gerente financeira da Transportadora Luajo, Gabriela Rodrigues, quando um suposto cliente que precisava de um serviço de transporte de mercadoria realizou um falso depósito.
“O interessado tinha restrição e disse que pagaria à vista. Me telefonou informando o depósito, quando fui conferir o dinheiro não tinha caído. Entrei em contato com o banco e fui informada que o envelope estava vazio”, contou.
Segundo ela, as cargas são liberadas somente após a compensação dos depósitos ou boletos. “Não posso arriscar e cair nessas tentativas de golpe. Por cautela, o serviço só é executado mediante pagamento oficializado”.
Outra prática muito comum são as tentativas de utilização de cheques e documentos como RG e CPF falsos ou clonados. Para tentar inibir que o fraudador tenha sucesso é sempre necessário que o comerciante e os envolvidos no processo se atentem à postura e aos documentos apresentados no ato da compra.
“Algumas vezes as pessoas tentam usar documentos que foram furtados ou perdidos para tentar se passar por pessoas corretas. O importante é sempre solicitar o documento original com foto e pesquisar se está tudo bem e se a compra pode realmente ser finalizada”, afirma a coordenadora de análise de crédito Priscila Nunes.
Uma das saídas para lojistas e consumidores é utilizar um canal do SPC que permite aos dois lados inserir documentos que tenham sido extraviados seja por perda ou furto e também consultar. “A pessoa que perdeu o documento deverá ir até Acinol com um Boletim de Ocorrência registrado na polícia. Assim qualquer loja no Brasil saberá que em caso de tentativa de fraude o documento pode estar nas mãos de uma pessoa errada”, afirma.
Mas se o verdadeiro dono estiver com o documento não haverá problema, uma vez que é possível buscar os dados no sistema SPC. “A pessoa responsável pelo documento vai ter um comprovante de que ela mesma inseriu os dados no SPC e assim ficará livre para poder comprar sem transtornos” disse Priscila.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos relacionados